IBTEL Instituto Bíblico Teológico Elohim

domingo, 19 de janeiro de 2014

12 MANEIRAS DE ESTUDAR A BÍBLIA SOZINHO

I - Como estudar a Bíbllia

PRINCÍPIOS DE ESTUDO DINÂMICO DA BÍBLIA
O estudo dinâmico da Bíblia não requer nada de mágico. Uma vez tendo compreendido os princípios básicos, é simples de fazer. A seguir, apresentamos cinco princípios gerais que você precisará lem­brar, independente do método de estudo que esteja usando.
1. O segredo do estudo dinâmico da Bíblia é saber fazer o tipo certo de perguntas. Os doze métodos de estudo da Bíblia expostos neste livro exigem que você faça perguntas para o texto bíblico. A princi­pal diferença nestes métodos é o tipo de pergunta que você fará. Você terá tipos diferentes de perguntas com cada método diferente de estudo da Bíblia. Fazer perguntas é uma habilidade que pode ser desenvolvida. À medida que você aumentar em proficiência no es­tudo da Bíblia, você desenvolverá a arte de fazer perguntas. Quanto mais perguntas você fizer sobre o texto em estudo, mais extrairá dele. Você perceberá que pode bombardear o texto com ilimitado número de perguntas. Um dos benefícios em estudar a Bíblia é o desenvolvimento de uma mente mais inquisitiva. Você descobrirá insights empolgantes que foram negligenciados no passado. Parece­rá que você ganhou novos olhos! De repente, toda vez que você apanha a Bíblia para estudar, novas verdades saltam do texto.
2. O estudo dinâmico da Bíblia envolve anotar o que foi obser­vado e descoberto. Você na verdade não considerou cuidadosa e detalhadamente um texto bíblico até que tenha escrito os pensa­mentos tidos. Não se pode estudar a Bíblia sem escrever algo. Esta é a diferença entre ler a Bíblia e estudar a Bíblia. Na leitura da Bíblia, você lê do princípio ao fim uma porção selecionada da Escritura, ao passo que no estudo da Bíblia, você toma notas ex­tensas. Dawson Trotman, fundador da organização cristã Os Navegantes, dizia: "Os pensamentos se desembaraçam quando atravessam os lábios e as pontas dos dedos". Se você não colocou suas observações no papel, na realidade você não as considerou de modo cuidadoso e detalhado.
Este princípio é verdadeiro não apenas para o estudo da Bíblia, mas também para muitas outras áreas da vida cristã. Uma das coi­sas mais lucrativas que você pode fazer em sua vida espiritual é começar um tipo de caderno espiritual no qual você escreva pen­samentos e compreensões intuitivas que Deus lhe deu.
Em nenhuma outra atividade, tomar notas é mais importante do que no estudo da Bíblia. Se você realmente estima as pepitas da verdade que for descobrindo, tomará nota de tudo o que pesquisar das Escrituras. Mesmo que não veja nada em determinado versículo, escreva isso. Cada método de estudo da Bíblia neste livro tem uma forma de estudo projetada a ser usada com o método, de modo que você possa escrever várias notas sobre o que está estudando.
3. A meta final do estudo dinâmico da Bíblia é a aplicação, não só a interpretação. Não queremos nos conformar apenas em entender; queremos aplicar os princípios bíblicos no nosso viver diário. Dwight L. Moody, grande evangelista e pedagogo cristão de uma geração passada, dizia: "A Bíblia não foi dada para aumentar nosso conheci­mento, mas para mudar nossa vida". Foi dada para mudar nosso caráter e nos levar mais em conformidade com Jesus Cristo. Todos os nossos esforços no estudo da Bíblia não têm valor se, na análise final, não mudamos e nos tornamos mais semelhantes a Jesus. Te­mos de ser não apenas ouvintes, mas praticantes da Palavra (Tg 1.22).
É possível conhecer a Palavra de Deus e não conhecer o Deus da Palavra. Uma das tragédias de nossos dias é que alguns dos me­lhores estudiosos da Bíblia também são indivíduos que menos ga­nham almas para Jesus. Eles têm tempo para pesquisar as grandes pedras preciosas da verdade bíblica, mas esquecem que um dos mandamentos da Escritura é sair e fazer discípulos. Quando aplica­mos a Palavra de Deus em nossa vida, também ficamos ansiosos em cumprir a Grande Comissão (Mt 28.18-20).
Certo dia, um crente me perguntou: Qual é a melhor tradução? (Ele se referia, é claro, à melhor versão da Bíblia.)
— A melhor tradução é quando você traduz a Palavra de Deus para a sua vida diária — respondi.
Ele disse:
— Mas eu tenho a Bíblia Viva. (Ele ainda não tinha entendido.)
— É você que deve ser a Bíblia viva! A Palavra que se fez carne tem de ser visível na sua vida — Respondi.
Algumas perguntas que você deve fazer em seu estudo da Bí­blia são: Que atitude preciso mudar em conseqüência deste estu­do? O que é que preciso começar a fazer ou deixar de fazer? Em que coisas preciso crer ou deixar de crer? Que relações precisas continuar trabalhando? Que ministério devo ter com os outros? Nossa meta em todos os estudos da Bíblia é conhecer Jesus Cristo e nos tornar como ele em nossas atitudes, nossos pensamentos, nossa fala, nossas ações e nossos valores.
Quando a Palavra de Deus muda nossa vida e nos faz mais como Jesus, é quando nos damos conta de qual é o verdadeiro propósito da vida, qual é a verdadeira alegria e o que significa para Deus mudar o mundo por meio de nós. A Grande Comissão é cumprida e almas são ganhas quando nos tornamos semelhantes a Cristo e fazemos sua vontade.
Um pensamento adicional: Quando começar a estudar a Pala­vra de Deus, não vá com a atitude de descobrir uma verdade que ninguém viu. Não estude com a intenção de encontrar algo para impressionar os outros. Estude a Palavra para descobrir o que ela tem a dizer para você. O verdadeiro problema para a maioria de nós não é a interpretação de passagens difíceis, mas a obediência às passagens que entendemos.
4. O estudo dinâmico da Bíblia significa que a Palavra de Deus deve ser estudada sistematicamente. Um estudo fortuito da Palavra de Deus é um insulto à santidade da Escritura. E um bofetão na santidade de Deus que nos deu a Palavra. O "estilo cafeteria", o "método pesquise ou pule", ou a "abordagem o que é que vamos achar hoje" não produzirão os resultados que Deus deseja para nossa vida. Precisamos de um plano sistemático e regular de estu­do, quer nos dediquemos a um livro, estudemos uma palavra, analisemos uma personagem, estudemos um capítulo ou escolha­mos outro método.
Não devemos negligenciar nenhuma passagem ou seção da Bí­blia, pois o Antigo Testamento é a Palavra de Deus tanto quanto é o Novo. Muitas pessoas hoje em dia não sabem grande coisa sobre o Antigo Testamento. Alguns, talvez, terão vergonha quando che­gar ao céu e ser perguntado por Sofonias: "Como você apreciou meu livro?" Visto que " Toda Escritura é inspirada por Deus" (2Tm 3.16; grifo do autor), precisamos estudá-la toda de modo sistemá­tico. (No apêndice G há a sugestão de um plano para tal estudo sistemático.)
Estudar a Bíblia é como ser um bom detetive. Um bom estu­dante da Bíblia segue basicamente o mesmo procedimento que um bom detetive. A primeira coisa que um detetive faz é sair e procurar pistas. Ele não diz nada, não interpreta nada, não tira nenhuma conclusão, mas olha todos os detalhes. Observa coisas que outras pessoas normalmente negligenciam, porque é treinado na observa­ção. Em segundo lugar, começa a fazer perguntas com base no que observou. Em terceiro lugar, depois de intensa observação e questionamento, passa a reunir as provas e interpretar o que tem. Em quarto lugar, compara e faz correlações, reconstituindo todas as provas que coletou para ver como cada fato se relaciona com os outros. Finalmente, tira uma conclusão e toma uma decisão com base no que concluiu — o que ele acha que aconteceu e quem estava envolvido.
O estudante sério da Bíblia segue estes mesmos passos básicos quando aborda a Palavra de Deus. O primeiro passo é observar— ver os fatos básicos contidos no texto sob estudo. Em seguida, vem fazer perguntas — descobrir fatos adicionais mediante observação mais intensa. Em terceiro lugar, ele tem de interpretar — analisar o que o texto significa. Em quarto lugar, ele precisa fazer correla­ções do que descobriu com outras verdades bíblicas que ele já co­nhece; isto é feito mediante a referência cruzada de versículos e a comparação de Escritura com Escritura. Finalmente, ele tira uma conclusão, aplicando na sua vida de modo prático as verdades que estudou.1
5. No estudo dinâmico da Bíblia você nunca esgotará as riquezas da passagem da Escritura em estudo. O salmista declarou: "Tenho constatado que toda perfeição tem limite; mas não há limite para o teu mandamento" (SI 119.96). Você pode pesquisar a Escritura laboriosamente, mas nunca tocará o fundo. Salomão disse: "Se procurar a sabedoria como se procura a prata e buscá-la como quem busca um tesouro escondido, então você entenderá o que é temer o Senhor e achará o conhecimento de Deus" (Pv 2.4,5). Mas o filão da prata pertencente a Deus é inesgotável e o tesouro, ilimitado.
E por isso que você pode estudar a mesma passagem inúmeras vezes; você a pesquisa a fundo, e três ou quatro meses depois quando volta ao texto, percebe que há muito mais a descobrir. A chave é: persevere! Lembre-se de que não há limite ao número de perguntas a ser feito, não há limite às observações a serem feitas, não há limite às aplicações a serem implementadas. Portanto, não desista. No que tange ao estudo da Bíblia a melhor atitude a assumir é a que Jacó assumiu quando lutou com o anjo e disse: "Não te deixa­rei ir, a não ser que me abençoes" (Gn 32.26).
No estudo da Bíblia não há atalhos. E trabalho duro, mas se você for diligente e paciente, colherá os resultados em seu devido tempo. Assim que você sentir a alegria e satisfação que vêm ao encontrar por conta própria uma verdade espiritual fantástica e aplicá-la em sua vida, perceberá que valeu o esforço. Então, per­sista!
Preparação para o estudo dinâmico da Bíblia
Não vá ao estudo da Bíblia precipitadamente. O bom estudo da Bíblia exige preparação. Exponho a seguir quatro coisas que lhes são importantes se você deseja receber o maior benefício do estudo.
1. Fixe um horário para o estudo da Bíblia. Separe uma quanti­dade específica de tempo para fazer o estudo da Bíblia a cada sema­na. Isto dependerá de quanto tempo você quer passar estudando-a. Não exagere, mas também não se dedique de menos. Se você não colocar o estudo na'agenda semanal, nunca encontrará tempo ou fará um estudo esporádico e pouco profundo. Você tem de encon­trar tempo para o estudo da Bíblia.
Com que freqüência você deve estudar a Bíblia? A resposta varia de pessoa para pessoa, mas um fator importante a lembrar é a dis­tinção entre o período da hora silenciosa e o período do estudo da Bíblia. Você deve fazer diariamente a hora silenciosa. Em geral, é um período devocional curto (10-30 minutos) no qual você a Bíblia, medita por alguns minutos no que leu e ora. O propósito da hora silenciosa é ter comunhão com Jesus Cristo (v. apêndice a para inteirar-se de como fazer a hora silenciosa).
Você não deve fazer um estudo detalhado da Bíblia durante a hora silenciosa. De fato, nada aniquilará seu devocional mais rapidamente do que se ocupar no estudo sério da Bíblia durante esse período de devoção. Apenas desfrute da presença de Deus e comungue com ele.
Porquanto é melhor você fazer a hora silenciosa em 10 minutos diariamente do que em apenas um período de uma hora uma vez por semana, o oposto exato é verdade no que se refere ao estudo da Bíblia. Não se pode estudar a Bíblia com eficácia na modalidade de um bocado de cada vez. É melhor delinear períodos maiores de tempo (duas a quatro horas) do que tentar estudar um pouco to­dos os dias. Então, à medida que você for desenvolvendo suas habi­lidades no estudo da Bíblia, passará mais tempo com ela.
Provavelmente, o pior inimigo para o estudo da Bíblia nos dias de hoje no mundo ocidental seja a televisão. O americano comum de 18 anos de idade já acumulou cerca de 18 000 horas vendo televisão. Peritos nos informam que quando o americano que foi criado vendo televisão, atingir a idade de 65 anos, terá assistido uma média de nove anos e meio. São 15% da vida gastos na frente do aparelho de televisão!2
Em contrapartida, se a pessoa for regularmente à escola domi­nical desde o nascimento até a idade de 65 anos, terá um total de apenas quatro meses de ensino consistente da Bíblia. E ainda fica­mos admirados por que há tantos cristãos fracos na sociedade oci­dental? Temos de nos disciplinar e separar tempo específico para o estudo da Bíblia e não deixar nada nos atrapalhar.
Devemos estudar a Bíblia quando estamos na melhor forma física, emocional e intelectual, e quando nada nos distrai e nos apressa. Considerando que você é ou "pessoa diurna" ou "pessoa noturna", escolha a hora em que está mais desperto. Nunca tente estudar quando estiver cansado ou imediatamente após uma refei­ção pesada. Estude quando estiver descansado e bem desperto.
2. Mantenha um caderno. Como já declaramos, você não pode estudar a Bíblia sem escrever as coisas que observou. Cada méto­do de estudo sugerido neste livro tem um formulário para o estu­do que o acompanha.3
3. Adquira as ferramentas certas. Junto com cada método de estudo há uma lista sugerindo ferramentas de referência que você precisará para o estudo. Os primeiros métodos requerem algumas ou nenhuma ferramenta, ao passo que as últimas requerem várias delas. Considere fazer um investimento nestas ferramentas de refe­rência e montar uma pequena biblioteca. Será um investimento que você usará pelo resto da vida. Na próxima seção apresentamos uma discussão sobre essas ferramentas, com sugestões para uma biblioteca básica e mais avançada.
4. Faça uma curta oração antes de cada estudo. Primeiramente, peça ao Senhor que limpe sua vida de todo o pecado conhecido e o encha com o Espírito Santo, assim você estará em comunhão com ele durante o estudo. Esta é a vantagem em estudar a Bíblia em relação a estudar um livro didático: há comunicação direta com o Autor. Você tem o privilégio de não só estudar a revelação, mas o revelador. Portanto, certifique-se de que você está em co­munhão com Cristo antes de estudar a Palavra. O apóstolo Paulo disse que se você estiver na carne ou for carnal, não poderá enten­der as verdades espirituais (1 Co 2.10—3.4). Você tem de estar em comunhão com o Senhor a fim de entender e aplicar sua Palavra. Como disse alguém: "Precisamos examinar nosso coração antes de examinarmos as Escrituras". Precisamos ter a certeza de que nossa vida está em relação certa com Deus antes de pesquisarmos sua Palavra.
Em segundo lugar, ore para que o Espírito Santo o guie no estudo. A melhor maneira de entender a Bíblia é falar com o Au­tor. Memorize Salmos 119.18 e o use antes de cada estudo: "Abre os meus olhos para que eu veja as maravilhas da tua lei". Peça que Deus lhe abra òs olhos para a Palavra. Em última análise, a menos que Deus Espírito Santo lhe abra os olhos para ver as verdades da Palavra, todo o estudo será um esforço perdido.
Como escolher as ferramentas certas para um bom estudo da Bíblia
Provavelmente, um dos segredos mais bem guardados na cristan­dade esteja relacionado com a disponibilidade de ajudas para o es­tudo prático da Bíblia. A maioria dos cristãos desconhece que haja atualmente muitas e excelentes ferramentas de referência para tor­nar o estudo pessoal da Bíblia possível e instigante. E comparável ao carpinteiro que quer construir uma casa, mas não sabe que existe martelo e serra.
Os pastores devem familiarizar o rebanho com estes livros, pois o diabo se delicia em mantê-los fora de circulação. Contanto que Satanás seja bem-sucedido em impedir que os cristãos estudem a Bíblia por conta própria, seu trabalho será muito mais fácil. O cristão que não passa tempo regularmente a cada semana no estu­do pessoal da Bíblia não terá forças para resistir às tentações do diabo. Um modo prático no qual os pastores podem "preparar os santos para a obra do ministério" (Ef 4.12) é familiarizar a congre­gação com essas ferramentas de estudo da Bíblia.
O propósito das ferramentas de referência
Na qualidade de cristãos que vivem no mundo ocidental, temos abundância de livros úteis que foram projetados para nos ajudar em nosso estudo pessoal da Bíblia, usando os mais recentes acha­dos arqueológicos, estudos de palavras e pesquisa de grandes estu­diosos da Bíblia. No entanto, as ferramentas de estudo da Bíblia não têm o desígnio de substituir a Bíblia; antes, ajudam-nos a estu­dar a própria Bíblia. O estudo da Bíblia é habilidade que precisa­mos desenvolver. A maioria das habilidades requer uso de algum tipo de ferramenta. Os carpinteiros precisam de martelos e serras; os artistas precisam de pincéis e tintas; os encanadores precisam de chave inglesa. Semelhantemente, o estudante sério da Bíblia irá desejar tirar proveito da disponibilidade de ferramentas de referên­cia para o ajudar no exame eficaz das Escrituras. A pessoa que tenta estudar a Bíblia sistematicamente sem se servir de boas ferramentas descobrirá que seu trabalho é tedioso e difícil.
Alguns cristãos, temerosos de que venham a ficar muito de­pendentes das ferramentas de referência, hesitam em usá-las. Ou­tros dizem piamente: "Tudo de que preciso é a Bíblia". É verdade; mas as ferramentas sugeridas nesta seção foram projetadas para ajudá-lo a embrenhar-se na Bíblia. Você não deve ter medo de usar ferra­mentas de referência, pois a maioria destes livros representa estudos de homens de Deus que dedicaram a vida inteira nesse empenho.
As compreensões intuitivas que receberam do Senhor enriquecem imensamente o estudo da Bíblia e provêem informação sobre pessoas, lugares e acontecimentos que você não acharia só lendo a Bíblia.
As ferramentas
Nesta seção, examinaremos oito tipos de ferramentas de referência que são usadas nos métodos de estudo da Bíblia apresentados e explicados neste livro.
1. Bíblia de estudo. Sua primeira e mais importante ferramenta é uma boa Bíblia de estudo. Certas Bíblias são mais adaptáveis ao estudo pessoal da Bíblia que outras. Uma boa Bíblia de estudo deve ter letras grandes o bastante para você ler por longos períodos de tempo sem ficar com dor de cabeça por forçar os olhos. Tam­bém deve ter papel espesso o bastante para você tomar notas sem que a tinta traspasse o outro lado do papel. Margens largas são úteis, porque permitem fazer anotações pessoais. Por fim, uma Bí­blia de estudo deve ter um bom sistema de referência cruzada.
Uma excelente Bíblia de estudo é a Bíblia de Referência Thompson com Versículos em Cadeia Temática, publicada pela Editora Vida.
Bíblias de estudo como essa representam longos anos de estu­do e pesquisa minuciosa, resultando numa riqueza de material proveitoso. O dr. Frank Charles Thompson passou mais de 30 anos compilando seu sistema extremamente prático de referênci­as cruzadas.
2. Várias traduções recentes. Nos últimos 50 anos, vimos a pro­dução de muitas novas traduções da Bíblia. Embora existam falhas em toda tradução, cada uma faz contribuição única para o melhor entendimento da Bíblia. O maior benefício que podemos obter destas versões é comparando-as umas com as outras no estudo. Os muitos possíveis significados e usos de certa palavra podem ser en­contrados mediante a leitura de determinado versículo nas várias versões e anotar as diferenças.
Hoje em dia também há Bíblias "paralelas" a qual, num único volume, apresentam várias traduções lado a lado. Isto permite com­parar traduções prontamente sem ter de dispor dez Bíblias em cima da mesa. Além destas traduções, há as paráfrases. Uma tradução é mais que tradução palavra por palavra do idioma original; uma paráfrase é o que se acredita que o original diz, o que requer inclu­são em alguns lugares de interpretações próprias. A maioria das tra­duções foi preparada por um grupo de estudiosos, ao passo que uma paráfrase é o trabalho de um indivíduo. Paráfrases são ótimas para luz ocasional na leitura devocional, mas não devem ser usadas para estudo sério da Bíblia. Use uma tradução precisa e respeitada para essa finalidade.
Uma tradução útil e fidedigna é a Nova Versão Internacional (Editora Vida), a qual tem obtido ampla aceitação no curto perío­do de tempo que foi lançada. Há muitas outras traduções ótimas hoje em dia, portanto escolha as que você se sinta mais à vontade. Duas ou três traduções diferentes e recentes da Bíblia bastam para começar.
Duas paráfrases recomendáveis são v4 Bíblia Viva (Editora Mun­do Cristão) e a Nova Tradução na Linguagem de Hoje (Sociedade Bíblica do Brasil).
3. Concordância exaustiva. Sem dúvida, a ferramenta mais im­portante que você vai precisar para o estudo da Bíblia ao lado da Bíblia de estudo é a concordância. Esta ferramenta é um índice bíblico das palavras contidas em certa versão bíblica. Várias Bíbli­as possuem concordâncias limitadas a certo número de palavras e nomes importantes. Uma concordância exaustiva relaciona todos os usos de cada palavra da Bíblia, e dá todas as referências onde tal palavra é encontrada. Tratam-se de volumes grandes e vultosos, bastante caros, mas valem cada centavo investido. Você precisará de uma concordância em todos os métodos apresentados neste livro, exceto em dois.
4. Dicionário bíblico elou enciclopédia bíblica. Um dicionário bíblico explica muitas das palavras, tópicos, costumes e tradi­ções contidos na Bíblia, bem como presta informação histórica, geográfica, cultural e arqueológica. Também fornece material do cenário de cada livro da Bíblia e apresenta biografias curtas das prin­cipais pessoas de ambos os testamentos. Uma enciclopédia bíblica é um dicionário bíblico expandido com artigos mais longos que tra­tam com maiores detalhes de mais assuntos.
5. Bíblia temática. Esta ferramenta é semelhante a uma con­cordância, exceto que categoriza os versículos da Bíblia por temas e não por palavras. Isto ajuda o estudante da Bíblia, porque é freqüente um versículo tratar de um tema sem nunca usar a pala­vra específica. Se você tivesse de confiar apenas na concordância, perderia alguns versículos ao estudar um tema. Por exemplo, se você procurar o assunto "Trindade" numa Bíblia temática, achará diversas referências alistadas, embora a palavra não ocorra na Bíblia.
Outra característica útil é que os versículos em cada tema são escritos por completo, o que lhe permite esquadrinhar pronta­mente os versículos-chaves em determinado tema sem ter de ler cada um deles na Bíblia. Entretanto, tenha em mente que uma Bíblia temática não é exaustiva, pois nem todo versículo relacio­nado a um tema é alistado.
6. Manual bíblico. Esta ferramenta é a combinação de enciclopé­dia com comentário em forma concisa. E usado para referência rápida, enquanto se lê do princípio ao fim determinado livro da Bíblia. Em vez de estar organizado alfabeticamente por temas, os manuais são projetados a seguir a ordem dos livros da Bíblia. For­necem notas de fundo, breve comentário e mapas, quadros, diagra­mas, notas arqueológicas e muitos outros fatos úteis.
Um dos melhores é o Manual Bíblico de Halley, de Henry H. Halley (Editora Vida).
7. Livro com estudo de palavras. Esta é área na qual o cristão de hoje tem o grande privilégio de se beneficiar do trabalho dos estu­diosos da Bíblia. Por causa da disponibilidade de ferramentas de referência práticas escritas para o cristão comum, você pode estu­dar as palavras originais da Bíblia sem saber nada de hebraico ou grego. Alguns autores têm passado a vida inteira procurando os significados completos das palavras originais para depois escrever sobre elas em linguagem simples e compreensível.
Um bom livro com estudo de palavras lhe dará a seguinte in­formação: o significado da raiz original da palavra grega ou hebraica (sua etimologia), os vários usos da palavra ao longo da Bíblia e na literatura similar não-bíblica daquele período histórico e a freqüên­cia na qual a palavra ocorre na Bíblia.
8. Comentários. Um comentário é uma coletânea especializada de notas explicativas e interpretações do texto de determinado livro ou seção da Bíblia. Seu propósito é explicar e interpretar o significado da mensagem bíblica analisando as palavras usadas, o plano de fundo, a introdução, a gramática e a sintaxe, além da relação desse livro em particular com o restante da Bíblia. Usado corretamente, os comen­tários aumentam grandemente sua compreensão da Bíblia. Em geral, você não deve consultar um comentário até que faça seu estudo. Não deixe outra pessoa roubar-lhe a alegria de descobrir insights bí­blicos por conta própria. Nunca permita que a leitura de um comen­tário tome o lugar do estudo pessoal da Bíblia.
Os comentários são obras falhas, porque são escritas por homens. Às vezes, comentaristas igualmente capazes discordam entre si no que tange a interpretações do mesmo texto bíblico. O melhor modo de usar um é conferir os achados em seu estudo com os do autor/comentarista, e descobrir se ele é consistente e evangélico no com­promisso com a Escritura. Evite comprar e usar comentários escritos por pessoas que não consideram a Bíblia como a Palavra de Deus.
Os comentários são apresentados em todos os tamanhos e variam de comentários de um volume sobre a Bíblia inteira a coleções em vários volumes.
Uma biblioteca básica
Quem está começando o estudo pessoal da Bíblia deve comprar somente as ferramentas básicas mais necessárias. Para os métodos de estudo da Bíblia apresentados neste livro, os itens a seguir com­põem uma biblioteca básica:
1. uma Bíblia de estudo;
2. duas versões bíblicas diferentes;
3. uma concordância exaustiva;
4. um dicionário bíblico;
5. uma Bíblia temática;
6. um manual bíblico;
7. um comentário de um volume.
Uma biblioteca mais avançada
A medida que você ficar proficiente no estudo pessoal da Bíblia e se habituar no uso das ferramentas de sua biblioteca básica, acrescente outras ferramentas avançadas à coleção. Além das sete ferramentas acima, os seguintes itens são recomendados:
1. outras versões e paráfrases;
2. uma enciclopédia bíblica;
3. um livro com estudo de palavras;
4. comentários de cada livro da Bíblia;
5. um atlas bíblico;
6. pesquisas sobre o Antigo e Novo Testamentos;
7. qualquer outro livro que o interessar.
Conclusão
Nesta altura você deve estar pensando: Quantos livros/Tem razão, mas pense como investimento a longo prazo em sua vida espiritual. Muitos livros que você compra são lidos apenas uma vez e depois colocados na estante para juntar pó. Mas obras de referência são usadas toda vez que você estudar a Bíblia e podem lhe dar uma vida inteira de satisfa­ção. Se seu estudo pessoal da Bíblia for sério, então você desejará adquirir estas ferramentas a despeito do custo.
Economize para comprar estas ferramentas e iniciar a biblioteca básica. Se você estabelecer a meta de comprar um livro por mês, em um ano terá respeitável e valiosa coleção de ferramentas de refe­rência. Estas também podem ser excelentes sugestões de presente de Natal ou de aniversário. Um livro que você usa é um presente que dura a vida inteira.
Por fim, incentive sua igreja a montar em sua biblioteca uma seção de ferramentas de referência para o estudo da Bíblia. A igreja poderia comprar as ferramentas mais caras, como enciclopédias, livros com estudo de palavras e comentários, e disponibilizá-los para os membros. Possivelmente, diversas cópias de cada ferramen­ta seriam compradas.
Considerando que a Bíblia é a Palavra de Deus, o estudo da Bíblia tem de ter a máxima prioridade. Com essas ferramentas você poderá pesquisar eficazmente as Escrituras, um empenho de grande importância que mudará sua vida.

 prof°: Euler lopes.       Referências Bibliográficas. Rick Warren